Home » Carrapatos nos Cães

Carrapatos nos Cães

carrapato1

Nas áreas urbanas – independente da permanência dos cães em ambientes externos ou internos – , a literatura especializada cita Rhipicephalus sanguineus, vulgarmente conhecido como “carrapato marrom dos cães”, como sendo a espécie mais prevalente no cão doméstico – seu hospedeiro natural – e bastante adaptada aos domicílios nas cidades.

O gênero Rhipicephalus abrange aproximadamente 70 espécies de carrapatos, quase todas com origem na região Afrotropical. Trata-se da espécie de carrapato com a maior disseminação no mundo, em razão não somente da ampla distribuição de seus hospedeiros caninos, mas principalmente por possuir especificidade restrita ao cão doméstico. Em conseqüência, nota-se que os cães podem sofrer infestações maciças por R. sanguineus. O fato de apresentarem de 2 a 3 gerações por ano e de poderem completar seu ciclo de vida tanto em ambiente domiciliar como peridomiciliar, faz com que as populações do parasito, no ambiente, também possam atingir níveis insuportáveis em pouco tempo. Com hábitos nidícolas, as formas de vida livre do carrapato procuram em locais abrigados (no interior de canis, em fendas e buracos nas paredes, atrás de quadros e de móveis, etc.).

carrapato1

O R. sanguineus é vetor de diversos patógenos de importância para os cães, incluindo os agentes da babesiose, da hemobartolenose, da hepatozoonose e da erliquiose. Particularmente no que diz respeito à babesiose e à erliquiose, comuns em cães no nosso país, o único vetor, comprovado cientificamente, é o R. sanguineus. Logo, presume-se que os casos de babesiose e de erliquiose devem estar concentrados em cães urbanos, a não ser em outras situações, quando cães no meio rural são criados em instalações fechadas, como no meio urbano, favorecendo o estabelecimento de populações de R. sanguineus.

carrapato2Já no meio rural, onde os cães vivem geralmente soltos e têm livre acesso às matas, os carrapatos prevalentes são os do gênero Amblyomma, particularmente Amblyomma aureolatum, Amblyomma ovale, Amblyomma brasiliense, Amblyomma tigrinum e Amblyomma cajennense. Entretanto, há locais em que os cães assumem um importante papel epidemiológico no ciclo desses carrapatos, dada a sua alta exposição, suscetibilidade às infestações pelas espécies citadas e possibilidade de transporte desses carrapatos – alguns deles comprovadamente transmissores de zoonoses – para o interior das residências. Nesse aspecto, a literatura brasileira reporta achados de exemplares das espécies A. cajennense, A. aureolatum e A. brasiliense naturalmente infectados pela Rickettsia rickettsii, bactéria autóctone das Américas e produtora da febre maculosa, zoonose que possibilita a circulação do microorganismo entre carrapatos e mamíferos silvestres, em ecossistema independente do homem. Dentre os animais domésticos, apenas os cães apresentam alguma suscetibilidade à doença. Porém, como animais de estimação, podem contribuir indiretamente para a disseminação da febre maculosa, ao transportarem carrapatos previamente infectados, que neles se alimentam, para o interior das residências.

Deve-se considerar a possibilidade de que os cães no meio rural, constantemente expostos aos carrapatos do gênero Amblyomma e muita vezes atendidos em clínicas veterinárias com um possível quadro clínico de erliquiose, apresentem, na realidade, o quadro clínico de febre maculosa. No ambiente rural, muitas vezes, os cães são mantidos presos em canis durante o dia e soltos durante a noite. Nesses casos, não são raros o encontro de populações mistas de R. sanguineus e de Amblyomma spp. sobre os animais.

Autoria do Artigo: M.V. Douglas Roberto Frigo
Fotos: Marcelo de Campos Pereira, PhD – USP

Páginas ou assuntos relacionados

O Cão idoso e a artrite O Cão idoso e a artrite
Como posso acabar ou até mesmo evitar o mau-hálito do meu cachorro? Como posso acabar ou até mesmo evitar o mau-hálito do meu cachorro?
Saúde e Cuidados com os Cães Saúde e Cuidados com os Cães
O melhor amigo O melhor amigo
Você sabe qual a média de vida de seu cão? Você sabe qual a média de vida de seu cão?
O que é displasia? O que é displasia?

E você? Gostou dessa página? Deixe seu comentário




Envie uma mensagem






  1. Darcio Pasotto 21/04/2014 às 22:33

    Temos uma revista Pet educativa, e estamos fazendo um trabalho junto às escolas com objetivo de educar crianças que são replicadores de ensinamentos. Caso tenha histórias e matérias educativas sobre animais estamos à disposição para divulga-las.
    Att. Darcio Pasotto (13034558761- (13)997285830

Pet Vale
Política de Privacidade
Anuncie aqui
Fale Conosco
Guia Pet Empresas
Ajude a divulgar o site
Links Interessantes
Papel de Parede para PC

Castração Gratuita
Nomes para Cachorros
Canais em Destaque
Cachorros
Gatos
Pássaros
Peixes
Roedores
Redes Sociais
Facebook Pet Vale

Twitter
© 2014 Pet Vale - www.petvale.com.br - Todos os direitos reservados